hisham hm

Speaking of aging

“How sad it is! I shall grow old, and horrible, and dreadful. But this picture will remain always young. It will never be older than this particular day of June… If it were only the other way!” — Oscar Wilde, The Picture of Dorian Gray

A while ago I realized that, as we live more and more of our lives online, many of us have turned into a sort of reverse Dorian Gray.

We create accounts in service after service, uploading our avatar images. Some of them are periodically updated for various reasons (Facebook in particular), but many of them stay unchanged for years. When was the last time you changed your GMail avatar?

As it happens, our online self keeps that perennial smile, that youthful face that’s sometimes years old by now, while our physical self, the one that’s locked in a room, sitting on a computer as the online self strolls around in cyberspace, ages day by day.

I have friends here on Facebook whose avatars I’ve known for years. Professors are known for having outdated pictures in their websites, with black hair that has long turned gray.

I met a guy at a conference who I expected to be a youthful long-haired dude in his 20s, and was a short-haired man in his late 30s. When I said “oh, you have short hair now!” he smiled, a bit confused, and then remembered his own picture. What is striking is that I should have known, since I knew that picture for over ten years myself, back when I was a dude in my 20s.

As for me, I have one nice pic of myself that I uploaded as an avatar in many services (Twitter, Github, etc) that I’m just too lazy to switch. I like the picture and I actually used it once as a reference at the barbershop when getting a haircut (was I trying to chase my “Dorian’s picture”?). Still, when switching back from my child picture here on Facebook back to my “current” picture, the thought that my usual profile picture is actually from 2011 came to mind. Hence, this picture.


Eduardo Jorge e a perpetuação dos estereótipos

Eduardo Jorge era o candidato mais atento no debate. Ele sabia a sequência dos candidatos a serem perguntados antes de o Bonner dizer. Ele corrigiu o Bonner em mais de um momento sobre a hora de quem deveria falar.

Enquanto isso, os outros perguntavam “pra quem posso perguntar agora?”. A Marina seguiu respondendo depois da tréplica e continuou falando mesmo quando mandaram parar. A Dilma volta e meia atropelava as palavras e não formava frases completas. O Aécio respondeu a uma pergunta “vamos conversar sobre [um assunto sério]” com “eu sempre gosto de conversar com você”. O William Bonner passou o debate inteiro risonho e distraído.

Se o Eduardo Jorge tivesse feito qualquer uma dessas coisas, haveriam 300 memes na internet dizendo “que é porque ele estava chapado”. Mesmo sem ele ter feito nenhuma dessas coisas, tiveram 300 memes durante o debate dizendo que ele estava “chapado”, chamando ele de “maconheiro”, com essas palavras.

O pior é que vejo essas piadas vindo de todos os lados, desde o colunista da Veja até militantes da descriminalização da maconha. Será que esses últimos não veem que estão fazendo um desserviço a si mesmos? Por mais que nesse caso tenha um ar de cumplicidade marota, na prática apenas perpetua a estereotipação.

Da mesma forma, na eleição passada, quando o Plínio de Arruda Sampaio dava a real nos debates, jorravam piadas de que ele era um “velho gagá”, tipo o vovô que fala as verdades incovenientes na mesa de jantar porque já chegou na idade de “ligar o foda-se”. É o discurso do preconceito.

É óbvio que a pessoa ser sorridente e descontraída não significa que ela está usando maconha, mas quando é com o Eduardo Jorge, lá vem a piada pronta. E claramente são dois pesos e duas medidas: Pros lapsos do Bonner no debate, as piadas eram que ele estava “distraído com o Twitter”.

Eduardo Jorge foi o único candidato que falou no debate algo de completo sobre a questão de política de drogas, indo desde a questão de política de segurança (lado esse que a Luciana Genro também citou muito bem na questão da “guerra aos pobres”) até a problemática de saúde no tratamento de usuários dependentes, que não pode ser deixada de lado. É triste ver que a única repercussão da internet, até das pessoas que eu acho que supostamente deveriam ser as mais interessadas nisso, é compartilhar memes dizendo “haha, maconheiro!”.


PS: Eu sempre odiei que toda vez que eu faço ou digo algo criativo/maluco/surrealista, alguém sempre faz a piada pronta “pô, me dá isso aí que tu tá tomando!”, como se alguém só pudesse ser criativo usando drogas. Eu sei muito bem ser fora-da-casinha por conta própria, muito obrigado.


A story of violence and gender

[Even though the title foretells its content, I’ve been advised to add a trigger warning at the top of this post. It doesn’t hurt to be careful.]

It’s been a few days that I’ve been meaning to write this. I even discussed with a friend two days ago about when would be a good time. Emma Watson’s speech on gender equality yesterday (transcript and video) inspired me to go for it: “if not now, when?”.

I want to touch a delicate subject, which she brought up masterfully: how gender inequality works on men.

The story of any oppression is that of three roles: a mass of oppresed ones; a few who oppress them; and a mass who turns a blind eye, who are oppressors by proxy. This is the story of racism, of religious discrimination, and so on. Ms. Watson’s speech shines a light that the issue of gender equality is even more complex than that. Men are hurting women, and also hurting themselves in the process.

What made me want to write this was something that happened last week. I was with two friends, a guy and a girl, at a bar in a foreign country. (It was in Russia, but it could have been anywhere.) A disgusting scene happened. I didn’t see it firsthand, but the girl who was with us was looking straight at it, so I’ll reproduce her report:

At one point the guy who seemed to be the manager started to harass the waitress, just like that, in front of anyone. She froze. And so did I. She stood still in front of the counter while the man held her from behind rubbing his penis violently against her ass. I watched, petrified. I zoned out of my friends’ conversation. The pleasant look in the girl’s face was gone. After he let her go, I tried to approach her in another corner of the bar. The manager went to annoy two other women who were customers. One of them pulled her arm so he’d let her go. And they stayed in the bar! In the corner of the bar I asked the waitress [using Google Translator] if he was her boyfriend and if she was okay. She didn’t speak English, didn’t answer and just said “it’s okay, it’s okay.”

Of course it was not okay. My friend shared her concern with us. Dismayed as we were with it, our only reaction was to express our impotence with the situation. The reflex instinct of being part of “the mass who turns a blind eye”. We think ourselves better because we don’t do such things (and we probably are). Still, being “oppressors by proxy” is not a place we’re proud to be. Our sense of impotence, however, was very much real.

We said “What can we do?”. She said, “I don’t know, if he does it again I’ll make a scene in this place! A scandal!” Then I said “Women have that option.” I didn’t mean to sound rude, but that’s true. The way things work with men is that if we were to confront the (shirtless, tattooed, long-haired) guy, things would soon go violent. We told our friend: “What can we do? Get into a fist fight in a foreign country?” Her reaction was “Oh, men.”

This story highlights a less-discussed aspect in gender inequality. The prevailing rule of male violence serves not only to harm women, but also to stop other men from taking action. My male friend and I, we both knew we were under an unspoken law that if we were to do something, things would get violent.

(A flashback: The only time in my adult life that I got in a fist fight was years ago, also in Eastern Europe. I was walking down a street with a group of friends. Some guys across the street started yelling at the only woman in our group. She yelled back. They crossed the street and went for her. We stood in the way and it quickly got ugly. I think eventually someone shouted “police” and they ran away. One thing that strikes me from that story is that I’ve rarely retold it, and I’ve never seen any of my friends telling it. Men get ashamed of getting in a fight like that, even if it was for standing up for a woman. The other guys probably just made jokes about beating up some foreigners the next day.)

Back to last week’s story, we all felt the waitress really just meant “please don’t get into this”. Still, I wanted to think of something to do. If were we in our home country, we’d know how to report the manager in a safe way. We didn’t know if he owned the place, if anything we did would just get her fired, or worse. All these things crossed my mind.

We evidently didn’t want to stay in that place and give them any more money, so we spoke of leaving. We were waiting for a local friend, and I could just message him saying we had to leave. Then I told my friend “No, let’s wait for my friend and then we’ll explain him what happened and ask him to talk to her in Russian.” She replied, “Good idea.”

As soon as he arrived I told him the story, and that we wanted him to talk to the waitress about what happened before leaving. He seemed surprised; both with what happened and with our seriousness about it. We called her to our table. My Russian friend talked to her, and she told him that he was her boss, not a boyfriend, that he was “like that” but that it was “okay”. Before leaving the waitress went to my friend and repeated to her “it’s okay, it’s okay”, but her sad look said otherwise.

Even if she did think that enduring that guy was “just part of the job”, I hope that our concern reminded her that no, it’s not okay. And if she already felt it’s not okay (as I think she did), now she knows she’s not alone in thinking that, and that she’s not invisible. I’m very proud of my friend for reaching out for her, and shaking us up to do the same. The next day I had a long conversation about it in the airplane with my male friend who was there. These things matter.

We can’t fight gender inequality only by having women to stand up to men. Men have to stand up against inequality as well. And by “standing up” I don’t mean picking up fights. That is only reinforcing the gender stereotype. It’s a matter of redefining gender roles. I feel that society is slowly making progress (though clearly not at the same pace everywhere), but it’s a struggle into which both women and men need to take part. We men have to learn how.


Eu sou de esquerda e Gregório Duvivier não me representa

Não é novidade pra ninguém que a Folha de São Paulo é um dos órgãos de imprensa mais criticados pela esquerda. Ao contrário de uma Veja, porém, a Folha ainda faz um esforço maior para passar uma aura de imparcialidade (ao menos a fraca imparcialidade do tipo “vamos dar espaço pros dois lados”).

À primeira vista, a coluna do Gregório Duvivier, em termos de conteúdo e posicionamento, parece ser uma concessão desse tipo. Afinal, as posições que ele defende nela fazem um contraste claro com as posições das manchetes e reportagens em geral que a Folha de São Paulo publica. A boa parte do público de esquerda, a coluna do Duvivier seria um “cantinho de sanidade” no meio de um jornal que eles rejeitam.

Mas esses dias eu me dei conta que não é por isso.

Finalmente entendi por que o Gregório Duvivier tem espaço para escrever na Folha de São Paulo.

A postura da direita[1] no país é fazer uma política do tipo “nós contra eles”. Aliás, essa não é a postura da direita apenas aqui. Basta lembrar do George W. Bush: “se você não está conosco, você está com os terroristas”. O Duvivier tem espaço na Folha porque a política de esquerda que ele pratica é da mesma forma. E é isso que a direita quer.

[[
[1] Uma nota de rodapé: Escolhi o termo “direita” por simplicidade. É difícil usar esses termos hoje, em função da salada de alianças políticas. Então, perdoem a simplificação de usar “direita” de forma ampla pra me referir à linha política, grosso modo, que pauta a revista Veja. Acho que todos vamos entender a que me refiro.
]]

Uma coisa a se levar em conta é que textos como o dele circulam primariamente pela web. A Folha dá espaço pra ele para que o público dele — primariamente jovem, primariamente de esquerda — dele leia, “curta” e compartilhe no Facebook. Esses nem olham a “capa” do site da Folha, não são leitores do jornal, propriamente falando. Nem online, muito menos impresso. Mas ele chega ao público que o jornal quer que ele alcance.

Sobre polarizações

Nessa semana onde vários campos da esquerda (seja de situação, seja de oposição à esquerda) estão em polvorosa com o “ressurgimento” da Marina Silva, grandes esforços estão sendo dispendidos pra derrubar o discurso dela “contra a polarização”. De fato, o discurso da Terceira Via volta e meia retorna, sempre muito ralo, e sempre perigoso. Já vi o Rio Grande do Sul entrar pelo cano mais de uma vez por causa disso (Rigotto em 2002 capitalizando sobre a “polarização” Britto/Tarso; Yeda em 2006 capitalizando sobre a disputa Rigotto/Olívio). Ou seja, esse papo da Marina funciona. Mas como a ilustração dessas duas eleições consecutivas do RS mostra, a “terceira via” de hoje é um dos “pólos” de amanhã.

O motivo pelo qual esse discurso “contra a polarização” é tão atraente é justamente porque as pessoas sentem que o processo de polarização de fato existe. Num nível superficial, é inegável, dado que as últimas cinco eleições presidenciais foram decididas entre PSDB e PT. A Marina capitaliza em cima desse fato que é fácil de verificar (e afinal, chegamos numa geração de jovens que nunca sequer viram uma eleição diferente disso).

Porém, assim como nas vitórias surpreendentes dos candidatos que vieram do terceiro lugar nas pesquisas no RS, a vitória da “terceira via” não quebra de fato o ciclo de polarização no país (afinal, o lado vencedor escolhe o pólo perdedor para compor governo e continua tudo na mesma, mesmo que ele não suba no palanque no segundo turno, para manter as aparências). O que eu nos vejo vivendo no Brasil é um processo de polarização, sim, mas uma polarização de ideias. Ou, na verdade, de posições, pois as ideias não têm tido muito espaço. E os textos do Duvivier são, imagino que inadvertidamente, uma pequena engrenagem nessa máquina.

Talvez por um processo de apropriação cultural, ou de paralelos históricos, eu vejo o Brasil em inúmeros aspectos repetindo com algum atraso algumas construções sociais dos Estados Unidos. E assim como eu prevejo que o Brasil ainda vai chegar no ponto onde o tema imigração entrará em pauta, um temor que eu tenho há tempos é o país caminhar para a simplificação total do posicionamento político tal como é o debate “Democratas versus Republicanos” nos EUA.

Nos Estados Unidos, a política é um jogo sem saída, onde as pessoas são enquadradas rapidamente em um dos dois quadrados, a partir de uns poucos temas polarizantes. Se você é “pro-choice”, provevelmente será também “pro-gun control” e será Democrata. Se você é “pro-life”, acaba por simpatizar com os “anti-gun control”, é será Republicano. Citei dois temas mas poderia ter citado outros (política de imigração, impostos, etc.). A questão é que marcar o X em uma caixinha de um tema traz junto todo um pacote de opiniões sobre os demais.

A quem interessa isso? Aos grupos que estão dividindo no poder, é claro, seja via alternância, seja via “loteamento”, vide a divisão entre Red States e Blue States nos EUA, onde votar é literalmente inútil em alguns estados. No Brasil alguns exemplos dessa tendência são a hegemonia do PSDB no governo de São Paulo; a forma como o PSB inviabilizou a candidatura de Ciro Gomes em 2010 em prol da aliança do PT com Eduardo Campos; etc.

É muito mais fácil manter o controle quando há um oligopólio, com poucos atores concorrendo entre si, mas cooperando para impedir a entrada de outros atores. Evita-se configurar monopólio/ditadura, mas mantém-se o mundo resumido a, e descrito como, uma disputa do tipo “Coca-Cola versus Pepsi”.

Quando o Duvivier escreve um texto a favor do aborto, e conclui com “Ateus, maconheiros, vagabundas, pederastas, sapatões e travestis do mundo: uni-vos. Porque o lado de lá tá bem juntinho.” é exatamente isso que ele está fazendo. Ele está estimulando o empacotamento de posições e a polarização consequente.

Infelizmente, isso é a atitude mais contra-producente que se pode ter em relação a qualquer causa que se queira defender. Coloco dois grandes motivos.

1) Porque gera um isolamento que é estrategicamente inefetivo.

Eu vejo o pessoal mais jovem abraçando algumas causas dos quais eles são parte diretamente interessada, e gradualmente se juntando a outras que consideram correlatas, ou onde haja uma simpatia mútua. Vendo a movimentação do ativismo aqui no Rio de Janeiro, pelo menos, a impressão que dá é que a maioria da pessoal que está na Marcha das Vadias defendendo o feminismo é o mesmo pessoal que está na Marcha da Maconha, e é o mesmo pessoal que está na Massa Crítica pelo cicloativismo. Isso em si não é um problema e em certa medida é até uma consequência meio óbvia.

O problema é que, mesmo que 80% do pessoal dessas manifestações seja o mesmo, a postura dessas manifestações não deveria ser de tentar atrair os 20% restantes para as causas correlatas (que é o que acontece), mas sim alcançar a opinião pública em geral. Trazer quem está fora para o debate, em vez de “cultivar a cena”, “chocar os conservadores” e celebrar o próprio ativismo, pois isso é “pregar para os já convertidos”.

Construir uma minoria coesa que forma um antagonismo consistente aos segmentos mais conservadores da sociedade é algo extremamente útil para esses segmentos conservadores. Fica muito fácil para um pastor evangélico radical, por exemplo, vender um pacote de ideias pronto quando existe um grupo razoavelmente homogêneo defendendo o pacote de ideias inverso. É só partir de uma das ideias no qual o público já tem a posição fechada e puxar as outras a partir dali. Enquanto a Luciana Genro fica ocupada no debate criticando o Pastor Everaldo, ninguém questiona a situação com uma oposição à esquerda real. Infelizmente, porém, parece ser isso que o público dela quer que ela faça, ao invés de ostracizá-lo como um candidato tão irrelevante quanto um Levy Fidélix.

A realidade de qualquer uma dessas questões polêmicas dos dias de hoje é muito mais complexa do que esses pacotes que o Silas Malafaia e o Gregório Duvivier querem pintar (e sei que nenhum dos dois gostaria de ser associado com o outro na mesma frase). Entre os meus amigos, tenho pessoas cujas opiniões e posicionamento político eu respeito profundamente, ainda que diferentes das minhas, e vejo o quanto é possível se ter diversidade de posições. É plenamente possível, com posições bem sustentadas, ser ateu e ser contra o aborto; ser cristão e ser a favor da liberação da maconha; ser gay e não se identificar com a esquerda; só pra ficar em algumas das inúmeras combinações possíveis oriundas de pessoas que eu conheço. Nada disso é contraditório.

Juntar todas as minorias que o Duvivier enumera ainda assim vai produzir uma minoria, então ainda assim é insuficiente para ser agente real de mudança. Alcançar a opinião pública é ir além. Então não tem porque arriscar “perder pessoas” pra uma causa hostilizando elas de largada por causa de posições dela em outra. É trazendo elas para um meio de diálogo que se pode construir nelas um novo pensamento (e aí quem sabe até fazê-las reavaliar). É uma questão de estratégia e pragmatismo, quase diplomacia.

Discuti esses dias um episódio que me contaram de uma bicicletada da Massa Crítica aqui no Rio. Um carro derrubou um ciclista. Discutiu-se então se deveriam fechar ambas as pistas da rua em protesto ou uma pista só. Fecharam ambas as pistas. Argumentei que fechar uma só teria feito muito mais sentido, porque trancar o trânsito e gerar engarrafamento só produz animosidade, já que os motoristas nem saberiam o que aconteceu. Ao fechar uma só pista os demais carros passariam pelo acidente teriam alguma chance de se conscientizar que o ciclista foi a vítima.

Depois disso eu coloquei que, embora um carro tenha feito uma coisa deplorável, os outros 70 pelos quais eles passaram não fizeram e são justamente as pessoas que o movimento deveria tentar alcançar; eles são a opinião pública. Obviamente esse último argumento foi ouvido da mesma forma que a fraca resposta #NotAllMen é ouvida quando se fala em violência contra a mulher: “Eu não deveria estar feliz porque os outros carros não atropelaram! Ninguém deveria atropelar!” O meu ponto não era esse. O ponto é não se vence fazendo uma guerra contra um lado mais forte nos termos deles. Assim como uma bicicleta não pode fechar um carro, e os foguetes do Hamas não têm nenhuma efetividade contra o sistema anti-mísseis de Israel. Evidentemente, os mesmos padrões se repetem em todas essas discussões sobre ativismo. Muitos segmentos da esquerda estão querendo fazer uma guerra contra a direita nos termos deles. Estão fadados a perder.

2) Porque causa um silenciamento dos debates.

Qualquer um desses temas que a esquerda brasileira tenta colocar na ordem do dia é extremamente complexo e não deveria ser resumido a um “sou contra” ou “sou a favor”. Seja o aborto, seja a política pública em relação às drogas, sejam os direitos civis, seja o cicloativismo, nenhuma dessas questões é binária.

Para ficar em um exemplo prático muito pequeno, e arriscando abrir o abelheiro, peguemos a questão do aborto. Se permitido, até que mês de gestação? Muitos defensores do aborto terão problemas em aceitar a terminação de uma gravidez bastante avançada, e isso põe em xeque alguns argumentos da questão, embora não ponha outros. Claramente, a coisa é mais complicada que um “sim” ou “não”. E assim são todas as coisas importantes. Já vi diferentes pessoas defendendo uma mesma causa com argumentos que são contraditórios entre si. Gostaria de vê-las debatendo uma com a outra. Mas infelizmente nunca vejo isso em grupos onde todo mundo é “sim” ou todo mundo é “não”.

Além disso, política vai muito além de causas pontuais, por mais importantes que sejam. É a discussão dos rumos do país, da sociedade como um todo. Quando eu vejo uma pessoa escolher candidato a presidente tendo como critério principal “vamos ver quais as suas posições sobre aborto, maconha e casamento gay”, acho isso está longe de “ser politizado”, pra começo de conversa porque essas questões nem estão na mão da presidência. Achei deplorável quando vi o Serra trazer a questão do aborto para o centro do debate no segundo turno de 2010, claramente tentando fazer um link com o voto do eleitorado mais religioso. Nos EUA a tal “direita religiosa” já é um bloco de relevância na política nacional, dentro do universo Republicano. No Brasil, é um fenômeno mais recente, que se alimenta de um determinado tipo de antagonismo que precisa de dois lados para funcionar.

Em conclusão…

Espero que tenha ficado claro que eu “tirei o Duvivier pra Cristo” nesse texto por uma razão alegórica, e que eu não acho que ele seja o centro do problema ou sequer a expressão mais clara dele. Não sou contra tudo o que ele escreve e nem sou contra ativismo. O centro do meu argumento é que a “esquerda festiva”, pra usar um termo da direita, até funciona como um ponto de entrada para incitar o interesse na política, mas que nessa posição de postura alternativa (que por definição nunca vai se tornar uma posição mainstream), caso ela se cristalize a ponto de se fechar em si mesma, arrisca ser ironicamente mais útil às posições que ela pretende combater.

Se a direita tem por estratégia empacotar uma série de opiniões e puxar as pessoas para dentro do pacote a partir de uma ou outra convicção prévia que as pessoas tenham, a postura da esquerda deveria ser a contrária: abrir os debates, discutir as minúcias, aceitar a diversidade de opiniões mesmo quando algumas são contrárias e ouvi-las, e não cair no discurso “nós ou eles” estilo Bush.

É mais difícil. É bem mais difícil. Começar por defender sua causa para os outros “20%” que já estão no meio do ativismo é muito mais fácil, mas gera uma bolha perigosa. A discussão de cada causa, e o discurso da esquerda como um todo, das várias esquerdas, precisa falar com toda a sociedade.

É preciso um ativismo que saia da bolha, pare de jogar a “guerra de batalha” que a direita quer, e se “infiltre” na sociedade, um pouco como a “guerra de guerrilha” de que falou Deleuze na abertura do seu apropriadamente intitulado Conversações.


That constant background noise in the head

I just came to an interesting realization. In this World Cup, since I’m watching so many games in Globo TV, Brazil’s main network, a side effect is that it’s been a long time that I didn’t watch so many commercial breaks, and so many times the same ads. Each ad individually doesn’t bother me that much. Many of them are even fun. But realizing this constant repetition — with its jingles and slogans echoing in my head — is very uncomfortable.

That got me thinking now of people who watch, for example, telenovelas (or series on network TV), or the same nightly news, every day, six days a week… watching the same commercials. It’s only now that I got unused to watch commercials, that I realize the dimension of this constant background noise in the mind that they are.

Whenever I see someone browsing the internet in a computer without an ad-blocker installed, I have this same shock. I’m reminded of what the internet actually looks like. People are apparently “anesthesized” to watch sites full of ads. When I point this out to them and I recommend an ad-blocker, they say they “don’t really notice” or that it “doesn’t bother” them. But I personally doubt it has no effect (or else a company like Google would be multibillionare based on ads, as it is).

This all makes me, at the same time, a bit happy for myself, as I realize that I found a way to live free from some of these sources of mental noise, but sad for remembering that this noise is so widespread.